Rebelde Portugal
Caro visitante!
Bem vindo a este fórum sobre a Rebelde Portugal!
Inscreve-te e partilha a tua experiência... Escreve uma história com os teus personagens favoritos e partilha-a aqui no fórum
O Administrador

Rebelde Portugal

FanFic's sobre a Rebelde.
 
InícioRebeldeFAQBuscarMembrosRegistrar-seConectar-se
Buscar
 
 

Resultados por:
 
Rechercher Busca avançada
Últimos assuntos
» A Força d'um Amor
Seg Abr 01, 2013 1:31 am por Graça.

» Qual foi a cena que mais gostaste em toda a Rebelde?
Dom Mar 10, 2013 11:06 pm por Graça.

» Perfil de Marco Medeiros
Sab Mar 09, 2013 10:51 pm por Miguel Azevedo

» A Banda RBL
Sab Mar 09, 2013 1:49 am por Miguel Azevedo

» Transferência de tópicos
Sex Mar 08, 2013 9:51 am por Miguel Azevedo

» Alguém com dúvidas?
Sex Mar 08, 2013 9:47 am por Miguel Azevedo

» Perfil de Nelson Antunes
Sex Mar 08, 2013 7:15 am por Miguel Azevedo

» Perfil de Joana Anes
Sex Mar 08, 2013 6:58 am por Miguel Azevedo

» Perfil de Joana Alvarenga
Sex Mar 08, 2013 6:43 am por Miguel Azevedo

Parceiros
Fórum grátis

*

i

Button



Compartilhe | 
 

 A Força d'um Amor

Ir em baixo 
AutorMensagem
Graça.
Administrador Geral
avatar

Mensagens : 9
Fictiers : 5000
Data de inscrição : 02/09/2011
Idade : 33
Localização : Portugal

MensagemAssunto: A Força d'um Amor   Dom Mar 10, 2013 7:51 am

Da minha criação e de Miguel Azevedo, apresento-vos:
A Força d'um Amor

Esta Fanfic é relaccionada com a Rebelde Way Portuguesa e não só que conta com VII Tomos ou volumes. É dura e intensa. Muito intensa. E, um pouco complexa.

Preâmbulo
“Não me importo com o que possa vir a acontecer – agora sinto-me amada, sinto que te pertenço mesmo sem saber bem o que se passa. Estou longe, não quero voltar a e enfrentar-te. Não sei; quase morro só de pensar onde poderá estar o nosso filho… Ainda por cima agora, de que meu pai está convencido de que eu devo de estudar contigo. Não sei se dará certo, mas quero que saibas que vou fazer de tudo para sermos amigos. Isto, claro, se o teu pai nos deixar.”

De repente, Lisa acorda. Ela não vê ninguém a seu lado, não vê o seu Pedro ali com ela.
São quatro horas da madrugada e Lisa toma consciência do seu estado. Está mais só do que nunca. Tudo a abandonou. Ela agarra a almofada e chora.



Última edição por Graça. em Sex Mar 29, 2013 10:40 pm, editado 1 vez(es) (Razão : Parte inicial)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Graça.
Administrador Geral
avatar

Mensagens : 9
Fictiers : 5000
Data de inscrição : 02/09/2011
Idade : 33
Localização : Portugal

MensagemAssunto: Re: A Força d'um Amor   Sex Mar 29, 2013 10:49 pm

Capitulo I
" Como tudo começou."
Na cidade de Lisboa, a mais antiga de Portugal estão localizados os pontos históricos mais importantes, com principal destaque para a baixa lisboeta, o famoso Terreiro do Paço, construído por obra do Marques do Pombal, logo após o terramoto de 1755. Ergue-se aí a maior sala de visitas de Lisboa, voltada para o Rio Tejo, local que fica localizado a Praça do Comércio, na qual está levantada a estátua de D. José I, rei de Portugal, imponente em cima do seu cavalo. Aí foi o local em que, durante séculos, se localizavam os palácios de vários reis do nosso país. No Arco do Triunfo, situado na zona Norte, na Praça do Comercio sobre a Rua Augusta, podemos ver as esculturas de Calmels, na parte superior, e as de Vítor Bastos, na parte inferior. As de Calmels representam a Glória coroando o génio e o valor, ao passo que as obras de Vítor Bastos representam Nuno Alves Pereira, Viriato, Vasco da Gama e o Marques do Pombal.
O texto inscrito na parte superior do arco, VIRTVTIBVS MAIORVM VT SIT OMNIBVS DOCVMENTO. PPD, e que significa “Às Virtudes dos Maiores, para que sirva a todos de ensinamento. Dedicado a expensas públicas.”, é de facto a maior herança dos descobrimentos.
Passando o arco, entra-se numa rua calcetada, a Rua Augusta, na qual estão localizadas as maiores zonas de comércio de Lisboa. São restaurantes com esplanadas na rua, são lojas de pronto-a-vestir, são centro comerciais, são até elevadores como o da Santa Justa, e inúmeros artistas de rua, que mostram as suas habilidades, bem como o museu de Designer, agora com múltiplos postits com ideias para melhorar Lisboa.
No topo da rua Augusta está a monumental Praça de D. Pedro IV, com a sua estátua equestre. Em frente, existe uma fonte que jorra água e, depois, o Teatro D. Maria II.
*
O Sol esconde-se no horizonte e a Lua aparece; os indicadores de que se aproxima o fim de mais um dia. Começa a habitual correria e ouve-se as persianas de ferro dos estabelecimentos comerciais a bater no chão, as luzes da cidade de Lisboa a acenderem, as pessoas que, atarefadamente, vão para os seus carros e se põem nas enormes filas de trânsito. Pelo ar ouvem-se as buzinas insistentes dos que se dirigem apressados, para o Teatro D. Maria II, para verem o espetáculo “Auto da Índia” de Gil Vicente.
Dentro da casa de espetáculos, ouviam-se aplausos e varias vozes a apoiar a atriz Sónia Valentino:
- Sónia! Sónia! – Gritavam os seus fãs entusiasmados por a verem representar tão bem.

****
Lisa e John chegam a casa e encontram-na com as luzes apagadas. É uma casa fria, escura, onde não há o habitual calor humano.
- Cheguei! – Anuncia John há entrada. A sua voz volta para ele de ricochete. – Não está ninguém, – afirma tristemente – mais uma vez!
Lisa entristece e sobe as escadas de mochila às costas, acedendo ao segundo andar de uma moradia amarelada situada no luxuoso bairro de Portugal, em Lisboa. John clica no interruptor e ilumina quase todo o primeiro andar da casa, antes de se sentar à mesa da Sala de Jantar. Leva a mão ao bolso e retira um aparelho, marca uma sequência de nove dígitos e ouve pelo emissor da engenhoca. Ninguém atende e John começa a ficar preocupado. Prime a tecla vermelha e pousa o instrumento em cima da mesa. Em seguida, pega numa pasta que tinha poisado à entrada e corre o fecho, retirando de lá um mecanismo e poisando-o em cima da mesa junto ao aparelho. Levanta o tampo do computador preto e liga-o, introduz-lhe uma pen que dava acesso à Internet.
Lisa abre a porta do seu quarto e poisa a mala junto à escrivaninha de madeira, põe o seu CD predileto na aparelhagem e entra na casa de banho com a intenção de tomar banho. Descalça os ténis e desaperta as calças de ganga, regressa ao quarto e abre a porta.
- Pai! – Chama da varanda interna do piso de cima. John para de trabalhar, levanta-se e dirige-se à base da varanda – Pode ligar o esquentador, por favor? – Pede – lhe a filha.
- Posso. – E afasta-se, indo cumprir a tarefa pedida.
- A mãe ainda não chegou, pai? – Pergunta a Lisa, muito preocupada. Eram já quase dez horas da noite e, como parecia estar a tornar-se costume nos últimos tempos, eles continuavam sem saber de Sónia.
- Não, mas não tarda em chegar! – Responde John, convencido de que sua esposa deve estar já a caminho de casa, não atendendo o telemóvel por estar a conduzir. – Vai tomar banho, e depois anda jantar. – Ordena à filha.
- Ok – acede Lisa.
Ela regressa ao quarto e atravessa-o, alcança a porta que dá acesso à casa de banho, roda a maçaneta e entra na divisão, vedando a entrada atrás de si. Na casa de banho luxuosa, Lisa despe as calças e tira a blusa de alças preta, abre a água quente tapando o fundo da banheira, deixando-a encher. Ela acaba de se despir, retira as cuecas e o sutiã.
Lisa Maria Valentino Scott, filha de John Scott e Sónia Valentino, pesa cinquenta quilos e tem um metro e sessenta, o cabelo curto e escalado. Sendo uma rebelde na fase da adolescência, é a maior imagem de marca da mãe, que a procura levar consigo para todo o lado.
John Scott é natural de Los Angeles, no estado de Califórnia, nos Estados Unidos da América, onde ainda mantém domicílio, embora viva em Portugal há algum tempo. Com sessenta e alguns anos, trabalha como realizador, embora pareça que o seu emprego lhe ocupa mais tempo do que normalmente deveria… A sua família ainda parece não se ter adaptado aos hábitos estranhos de John, que ninguém parece compreender. No entanto, ele é-lhe extremamente dedicado, tal como o é ao seu emprego; é audaz e corajoso e, acima de tudo, um bom chefe de família. John está casado há três anos, depois ter vivido doze em união de facto. John tem muitos ciúmes da Sónia devido aos seus fãs e em especial de Afonso Rossi, embora ele tente controlar bastante a esposa.
Sónia Valentino é uma mulher muito conceituada em Lisboa, não só pela profissão que desempenha, mas também pelo marido que tem. Com quarenta e cinco anos, acha Scott um tolo: já não o ama, e está com o sujeito por obrigação, o que chega até ser patético. Sónia interpreta presentemente o papel D. Constança, na peça em cena Auto da Índia da autoria de Gil Vicente. É uma mulher adulta e madura, com o seu estilo diletante, mas no Mundo do Espetáculo não tem sucesso, assim como no casamento. Enfim, tudo uma consequência da crise económica e social que assombra Portugal!
Ultimamente Sónia arranja todos os pretextos para andar mais tempo na rua e eram cada vez mais frequentes as chegadas tardíssimas a casa Lisa tinha acabado de tomar banho, e já vestida com o pijama e o roupão, encontrava-se a jantar com o seu pai.
- Pai, onde está a mãe? - Pergunta a rapariga muito preocupada.
- Não sei. Mas deve de estar no teatro. - Responde Scott ainda mais preocupado. - Ou presa no trânsito – acrescenta, ainda acreditando mais nesta hipótese. - Vá, come.
- Se eu me despachar depois posso esperar pela mãe? - Pergunta Lisa
Voltar ao Topo Ir em baixo
Graça.
Administrador Geral
avatar

Mensagens : 9
Fictiers : 5000
Data de inscrição : 02/09/2011
Idade : 33
Localização : Portugal

MensagemAssunto: Re: A Força d'um Amor   Seg Abr 01, 2013 1:31 am

Capitulo II
"Conduta"
- Não sei, amanhã tens que te levantar cedo – Responde Scott angustiado.
- Mas pai, eu já há tanto tempo que não a vejo. - Afirma Lisa, tentando convencer o pai.
*
Não muito longe da casa de Lisa e da sua família, habitavam numa outra os Silva Lobo. Já era tarde e Sérgio não chegava e, às tantas, era melhor assim. Pedro, o filho mais novo do casal, estava fechado no quarto, entristecido.
Sérgio Silva Lobo tem quarenta e quatro anos e é o presidente da câmara de Lisboa, e sempre teve grandes aspirações políticas. É casado com Dora Silva Lobo e teve três filhos com ela – Gonçalo, Tiago e o Pedro.
Gonçalo Silva Lobo é casado e vive nos Açores; Tiago é o filho do meio; é membro da Policia Judiciaria, solteiro e bom rapaz, vive no Porto; Pedro, o filho mais novo, ainda vive em casa. Pelo menos nas férias, sim.
Dora Silva Lobo vive para manter as aparências. Não amando Sérgio, vive com ele, amedrontada, temendo também pelo filho mais novo. Como não tem onde cair morta, mesmo sabendo que o seu marido não é flor que se cheire, sabe ao mesmo tempo que ao menos ao seu lado tem um teto. Não arrisca em contrariar Sérgio porque sabe que nem é capaz de o enfrentar sozinha, nem com a ajuda de Pedro. O maior medo de Dora é que Sérgio descubra toda a verdade.
Pedro Silva Lobo é o oposto do pai, um rapaz sensível com carácter em demasia para a sua idade, tem catorze anos mas mais aparenta ter dezoito. Ao mesmo tempo é fraco, deixando-se levar pelas aparências com igual facilidade.
Pedro estava trancado no seu quarto havia horas. Triste, pensava que o seu pai, que não pára de falar no trabalho, e não gostava de si. Dora não aguentou mais ver o seu filho assim e sobe as escadas, batendo à porta do seu quarto em seguida.
- Filho, abre a porta, por favor! – Pede-lhe. – Deixa-me entrar, quero ver como é que estás! Estou preocupadíssima contigo!
Pedro, que estava deitado na cama, com uma mão por baixo da cabeça, e jogava uma bola de ténis para o ar, apanhando-a com a mesma mão, levanta-se, descalço, e caminha até à porta. Encostando-se à ombreira, abre-a e deixa a mãe entrar.
- Filho, como estás?
- Estou bem – responde Pedro, abrindo os braços – Graças a Deus que estou vivo! – Acrescenta ele sem ter noção do seu estado.
- Pedro, tu não estás bem! O que se passa? – Insiste Dora novamente.
- Mãe, eu sou um homem… – Pedro limpa uma lágrima e não consegue continuar.
- E os homens não choram. – Completa a mãe por ele. – Mas não há problema nenhum em chorar, às vezes deitar tudo cá para fora faz bem; desabafas!
- Mãe, porque é que o pai não gosta de mim?
- Da onde é que tiras-te isso agora? – Admira-se Dora – O teu pai gosta de todos vocês de igual forma, não há distinções.
- Claro, deve ser por isso que, faça eu o que fizer, ele não repara em mim – justifica-se tristemente o rapaz.
- Não digas isso, filho. – Nega Dora – Eu e o teu pai amamos-te, e muito. – Adianta.
- Se o diz – acede Pedro, pouco convicto. – O pai, já chegou? – Pergunta, com falta de interesse.
- Não, julgo que não – responde Dora, com uma expressão totalmente diferente no rosto. Depois, volta-se e dirige-se para a porta.
- Mãe. – Chama Pedro. A mãe retorna ao seu lado. – A mãe acha normal que o pai me esteja sempre a dizer que o Gonçalo não fazia tantos disparates? E que o Tiago era exemplar na escola? Que só comigo é que existem tantos despropósitos assim? – Pergunta verdadeiramente angustiado – Será que ele já se deu conta de que eu sou o Pedro? Que sou diferente de todos os outros?
- Tens que lhe dar um desconto, Pedro – apazigua-o Dora – Afinal, ele é teu pai.
- Antes preferia que não fosse – diz Pedro, deixando a mãe, um pouco sem saber o que dizer.
- Bem, tu vens jantar, vou avisar a Joana! – Declara Dora, saindo em seguida do quarto.
Pedro fica só e deita-se na cama, pensando há quanto tempo precisava de algo diferente na sua vida, alguma coisa que lhe desse a paz necessária e o tornasse feliz, um motivo pelo qual o fizesse sorrir e o modificasse totalmente. O rapaz carece de afecto.
Ouve uma música repentina; um aparelho preto salta no chão.
- Que chatice!
Ele levanta-se e apanha-o, premindo depois a tecla verde e encostando-o ao ouvido.
- ‘Tou.
- Olá Pedro! É o Tomás! – Dizem do outro lado da linha – Olha fui à net e ver se estavas online e como…
- Não estava, resolveste chatear! – Conclui, Pedro. – Vá, diz rápido!
- Era para te convidar para sair, hoje.
- Ah, e onde?
- Ao Bauhaus. Tentávamos arranjar umas miúdas.
- Pode ser. Mas umas miúdas? Deixa-me ir ver a minha agenda…
- Oh, ok. Já passo aí apanhar-te.
- Não dá! – Pedro faz uma pausa. – Espera, talvez possa sair mas ninguém pode saber, cá em casa! Trazes o carro da tua mãe?
- Levo.
- Óptimo, então eu posso conduzir! – Informa Pedro.
- Sim, se quiseres.
Alguém bate à porta do quarto de Pedro e ele desliga o telemóvel.
Tomás Bettencourt era o melhor amigo do Silva Lobo. Tendo os dois a mesma idade, andam juntos para todo o lado e não vivem um sem o outro. Tomás é parceiro de todas as loucuras de Pedro, para além de seu cúmplice.
- Ai! Que susto! Queres matar-me do coração? – Exclama Pedro.
- Desculpe, menino Pedro. Era só para lhe dizer, que o jantar está servido e que sua mãe o espera na sala.
- Ok, Joana, eu vou já. – Diz o rapaz, saindo do quarto e descendo as escadas atrás da empregada, ao mesmo tempo que alguém toca à campainha. Atravessa a sala, um homem com calças pretas com finas riscas claras, camisa branca de laço preto e um colete a condizer com as calças, com um monóculo encravado no olho, e com os sapatos tão envernizados que alguém poderia ver o seu próprio reflexo, dirigindo-se à porta no seu passo lento. Abre-a e deixa entrar Sérgio.
- Boa noite, Doutor – cumprimenta o empregado.
- Onde estão a doutora e o Pedro? – Pergunta Sérgio, enquanto dava a pasta ao seu fiel empregado.
- Estão na sala. Vão agora jantar – declara o empregado
*

Lisa está no quarto, deita-se na cama e tenta dormir, já que o seu pai não a tinha deixado esperar pela mãe. Ela ouve uma porta a abrir-se e as luzes da sala acendem-se de repente.
- Tu não tens vergonha? – Pergunta Scott, incrédulo, ao ver Sónia a entrar em casa.
- Scott, eu estava a trabalhar – desculpa-se ela.
- Do you know what time is it, Sónia? – Pergunta Scott, quase fora de si. - Are you insane? This house is yours, but I pay for your bills, so it’s my home too! Therefore, I think I can whatever I want!
“”” – Estás maluca? – Pergunta Scott, muito sério. – Isto é teu, mas eu pago as tuas contas, então também é meu! Portanto eu acho que posso falar como quiser.”””
- Oh, meu querido, se não estás bem, muda-te – reponde-lhe a mulher muito tranquilamente.
- You have a daughter with me, you are married to me and I don’t accept the consequences of your career, the attention you raise among other men! – grita Scott.
“””- Tu tens uma filha comigo, tu és casada comigo, e eu não aceito as consequências da tua carreira, a atenção que despertas nos outros homens! – grita Scott”””
No andar de cima, Lisa aperta a cabeça contra o colchão e tenta tapar os ouvidos.
- Eu não estou para ouvir isto, John! Eu sou uma mulher que trabalha, para sustentar a minha família, enquanto tu ficas para aí o dia todo ao computador – acusa Sónia. [atenção começam as desconfianças de Sónia em relação ao trabalho do marido].
- You ought to, or I’ll return to New York! – Grita John Scott.
“””- É melhor que o faças, ou eu volto para Nova Iorque!”””
- Então vai! O que é que está aqui a fazer? Vai para Nova Iorque, vai, escusavas é de ter vindo, para cá. – Retorque Sónia.
Na cama, Lisa dá voltas, sem conseguir adormecer com os gritos dos pais que não diminuem. Ela levanta-se sem ligar a luz, o luar bastava para que visse dentro do seu quarto. Caminha devagar até à cómoda, e pega num jarro tenta deitar água num copo, mas o jarro não tem nada. Lisa move-se novamente, circunda a cama, e assim consegue chegar à porta ainda fechada. Depois de agarrar e de vestir o seu roupão, abre a porta do seu quarto e sai, apoiando-se no varandim interno.
- O que é que se passa aqui? Vocês já viram que horas são?! – Exclama, quando se decide a descer as escadas. – Daqui a nada vem cá a policia, outra vez! Acho que já chega! – Lisa vai directamente até à cozinha, onde consegue saciar a sua sede.
- Vês o que fizeste?! – Acusa John ao mesmo tempo que cruza os braços, trémulos de nervos.
- Ai! Eu; é que fiz? Eu? John, eu farto-me de trabalhar e tu ultimamente… É que andas com uns ciúmes doentios. – Compõe a mãe de Lisa.
- Sónia, tu és uma mulher de família! Devias de estar aqui quando nós chegássemos. E não ficar no Teatro… – começa a dizer John tentando-se acalmar, para não sentir que deixa Lisa traumatizada.
- E já agora queres ter o jantar feito, não? – Reclama Sónia – John, eu nunca fui uma dona de casa exemplar aliás, tu sabes disso muito bem.
- Olhem, eu desisto! Vocês façam o que entender, mas deixem-me dormir! – Roga Lisa ao passar novamente pelos pais no caminho de regresso ao seu quarto.
- Deixa-me ver as tuas mãos, please. – Pede John ao mesmo tempo que estica a sua mão ainda trémula. Sónia põe a mão sob a sua. – Pois, se não fosses constantemente à manicura, e não arranjasses o cabelo dia sim, dia não serias uma dona de casa perfeita. Com respeito, aos ciúmes não me esqueci. – O sorriso na cara de Sónia desvanece-se. - Sim tenho-os mas não são teus, melhor até tenho raiva, ódio seja o que for, mas quero que saibas que eu não aguento ver os outros homens a babarem-se e a olharem para ti como se tu lhes pertencesses! – Grita John.
- Mas eu sou uma actriz! Eles não olham para mim, olham apenas para as personagens que eu represento! Tu não tens que ter ciúmes… – justifica-se Sónia.
- Para mim acabou – afirma John com a lágrima no canto dos olhos.
- O que queres dizer com isso? – Pergunta Sónia de repente aflita e super preocupada.
- Não vou dormir com uma mulher que se oferece aos outros homens – declara John.
Sónia dá-lhe um estalo a que John vira a cara para o lado. Em seguida, vê-se agarrada pelos pulsos abanada de forma violenta pelo marido. Este aproxima de Sónia de modo a impor-lhe respeito.
- Olha lá, minha menina, tu nunca mais me voltas a tocar, percebido?!
Um som vindo do exterior, uns faróis que iluminam o recinto, pára um carro à porta de Sónia, uma pessoa alta e trajada de preto ouve a discussão e pensa, duas vezes antes de agir. No entanto, mete a chave à porta e roda-a na fechadura empurrando a porta e depara-se com a discussão.
As almofadas do sofá pelo chão, Scott muito violento, e uma mulher que chora. As lágrimas de dor, de tristeza, de angústia de Sónia que lhe deixaram a cara toda vermelha e inchada, o ranho que entrava na boca, e fazia bolas nas narinas. Os cabelos despenteados abanavam-se no ar. A visita fica chocada com tal situação.
- Larga-a já, John! – Ordena-lhe Pipa.
Pipoca Castro, ou Pipa como frequentemente lhe chamam, é a confidente e assistente pessoal de Sónia. Próxima da família Scott, é testemunha do grande Amor que John nutre por Sónia e da dedicação que ele tinha a Lisa. Assim, não podia acreditar que John conseguisse levantar um dedo contra Sónia. Ele não seria capaz…
Voltar ao Topo Ir em baixo
Conteúdo patrocinado




MensagemAssunto: Re: A Força d'um Amor   

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
A Força d'um Amor
Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» motor sem força
» Citycom sem força com meio tanque de combustivel
» Probelmas de Força
» Filtro de ar para superlight
» Leishmaniose canina

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Rebelde Portugal :: fanfic's :: Our Stories-
Ir para: